terça-feira , 24/01/2017
Breaking News
Home / CONHECIMENTO / Mais sobre a CRASE

Mais sobre a CRASE

Ontem fiz uma postagem explicando como se utiliza a CRASE. Entretanto eu não quis deixar a postagem muito longa, já que as pessoas já têm tanto trauma com o uso da crase.

Mas existem outros casos onde se utiliza a CRASE e onde a regra de substituir a palavra posterior por uma masculina não irá dar certo. Se você quer informação adicional, então vamos lá…

São eles:

  1. Nas forma àquela, àquele, àquilo: Cheguei àquele (a + aquele) lugar.
  2. Antes de que, qual e quais (quando o A possa ser substituído por AO): É semelhante à que comprei (Teste: ao que comprei)
  3. Nas indicações de horas determinadas: Chegou às 8 horas, às 10 horas, à 1 hora. Na indeterminação da hora, não se usa a crase: Chegou a uma hora qualquer.
  4. Nas locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas como às pressas, às vezes, à risca, à noite, à direita, à esquerda, à frente, à maneira de, à moda de, à procura de, à mercê de, à custa de, à medida que, à proporção que, à força de, à espera de: Saiu às pressas. / Vive à custa do pai. / Serviu o filé à moda da casa.
  5. Nas locuções que indicam meio (forma) ou instrumento e em outras nas quais a tradição linguística o exija, como à bala, à faca, à máquina, à chave, à vista, à venda, à toa, à tinta, à mão, à navalha, à espada, à baioneta calada, à queima-roupa: Morto à bala, à faca, à navalha. / Escrito à tinta, à mão, à máquina. Obs.: Neste caso não se pode usar a regra prática de substituir a por ao.

Um caso que sempre gera dúvidas é quanto à crase antes de “Vou a (cidade / país)“. A confusão é porque em alguns casos existe a crase em outros não (absurdo, eu sei – rs).

  • Teste infalível, faça a frase com VOLTO, decore esse trocadilho:
  • Volto DA, crase no a, volto DE, crase pra quê?

Ou seja:

  • Exemplo: Vou À Argentina
  • Testando: Volto DA Argentina
  • Se volto DA, tem crase no A
  • Exemplo: Vou A São Paulo
  • Testando: Volto DE São Paulo
  • Se volto DE, crase pra quê?

E, para finalizar, existem casos onde o uso da CRASE é optativo. São eles:

  1. Antes de pronome possessivo (minha, sua, nossa…): Como é facultativo o uso de artigo, é optativo o uso da crase. Dirigiu-se à (ou a) sua irmã. / Ajudou à (ou anossa amiga. A regra não se aplica se o pronome possessivo for uma forma de tratamento (Vossa Majestade, Nossa Senhora…)
  2. Nome de Mulher: aqui também é facultativo o uso de artigo. Deu o livro à (ou a) Maria. / Declarou-se à (ou aVerônica. Recomenda-se não usar a crase em casos mais formais (onde não se tenha intimidade com a mulher em questão): Fizeram boas críticas a Fernanda Montenegro.
  3. Após o uso de ATÉ: A festa irá até à (ou a) meia noite. / Acompanhei-o até à (ou aporta.

Existe mais uma postagem nesse blog sobre crase, basta clicar aqui para conferir.

About Silvia Zampar

Graduada em PMKT, pós em Ensino Superior, mestre em Comunicação Midiática, atua como publicitária há 17 anos em sua agência de propaganda em Jundiaí e leciona para cursos de Comunicação Digital / Publicidade. Mantém os blogs: este (o TuDiBão) e o Livro-Objeto. Twitter: @SilviaZampar. Confira a apresentação completa dela.

Check Also

motorista

Dia do Motorista

E hoje, Dia do Motorista, publicamos um anúncio simples e gracioso que encontramos, que utiliza …

an_record_breakingbad

Silvio Santos assiste Breaking Bad… e aumenta a audiência

É, tudo que ele toca vira outro, e o que sai de sua boca também …

10 comments

  1. Ótimo post, desta forma espero não mais errar.

    • Como tem muita coisa, fica até parecendo mais complicado do que é.
      Mas se vc conseguir decorar a forma que dei pra testar ontem se tem ou não crase (substituindo pelo AO), bem, você vai acertar em pelo menos 95% das vezes, eu garanto!
      Valeu pelo gentil comentário.

  2. Quero esclarecer uma dúvida. Sei que o uso da crase é facultativo o uso da crase antes de pronome possessivo, mas gostaria de saber por quê?

    • Então, esses casos "facultativos" na verdade servem mais pra complicar que pra ajudar, já que não existe um porque, exite a regra que diz que é facultativo (usa-se ou não), onde eu, particularmente, uso, seguindo a regra de uso de crase (ou seja, se existem os dois "a"s, eu uso).
      Só pra registrar, é facultativo o uso da crase:
      – antes de pronomes femininos: Enviei a (ou à) Maria; e
      – antes de pronomes possessivo feminino: Pediu informações a (ou à) minha secretária.
      Mas acho que facilita considerar a regra da crase e simplesmente usá-la.

  3. Bom, uma coisa que o meu professor tinha falado pra ficar mais facil de decora a crase( um das formas)

    " Se vou a e volto de
    crase pra quê?
    Se vou a e volto da
    crase há"

  4. Eu sempre procuro escrever corretamente na internet porque sei que vão me aparecer dúvidas que sei que serão as mesmas na hora de eu escrever uma dissertação, por exemplo. Me preocupo muito com o uso da crase e estou sempre tirando dúvidas sobre isso com minha professora. Adorei o post, muito bem feito e bem explicado, parabéns. Agora só uma pergunta (rs): Se nas locuções que indicam meio eu devo usar a crase, então em "fogão a lenha" eu também devo né? Obrigado desde já.

    • Então, eu usaria sim: "fogão à lenha". Pra mim é o mesmo caso de "modo", ou seja "à moda do chefe", "à francesa", no caso do fogão ele é do "modo" ou do "tipo" "à lenha".
      Mas confesso que não pesquisei pra ter certeza e sou publicitária e não prof. de português – rs (apesar que procuro sempre estudar mais, pra trabalhar corretamente com nossa língua).

  5. Tem uma guria no meu trabalho que diz que ao enviar algum documento a um supermercado deve-se utilizar "Á Supermercado", está correto?

    Grata!

  6. Então, isso era "mais ou menos" uma norma quando aprendíamos a digitar cartas/envelopes, onde de fato escrevíamos assim.
    Mas está errado, pois o correto é:
    – Feminino: À (À Farmácia tal)
    – Masculino: Ao (Ao Supermercado tal)
    Não existiria a crase antes de palavra masculina, já que não existem dois "As" ai.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: